Tuesday, April 27, 2010

Feliz Dia das Mãe








Abecedário da Mamãe

A - Amiga
B - Bonita
C - Carinhosa
D - Dedicada
E - Elegante
F - Feliz
G - Gentil
H - Honesta
I - Inteligente
J - Justa
L - Legal
M - Modesta
N - Natural
O - Organizada
P - Protetora
Q - Querida
R - Risonha
S - Sincera
T - Trabalhadora
U - Única
V - Verdadeira
X - Xodó
Z - Zelosa



Thursday, January 28, 2010

Saturday, January 23, 2010

Os planos de ação para o novo ano




Ø Planejar o ano letivo pode ser tão interessante quanto planejar uma viagem."

Ø "Mobilize a equipe, de forma a envolvê-la em todas as atividades de planejamento."

Ø "Uma acolhida calorosa a funcionários e professores influenciará a recepção deles aos alunos"

Ø "É melhor exercitar o diálogo nos dias de planejamento que ouvir discursos sobre a necessidade dos mesmo."

Ø "A equipe deve ter bem claro o objetivo de seus esforços."

Ø "Partindo do que a escola é agora, defina coletivamente como deverá ser seu futuro."

Ø "Boas intenções não produzem consenso e cooperação. Boas estratégias, sim."

Ø "Não espere unanimidade para deflagrar ações."

Ø "Todos os funcionários, indistintamente, devem ser envolvidos na definição da missão da escola."

Ø "Planejar é um processo que percorre o ano letivo do comço ao fim."

Ø "O planejamento deve dizer respeito a ações concretas."

Ø "Reflexão - verdadeira reflexão - produz ação." (Paulo Freire)


Friday, January 15, 2010

Planejamento: perda de tempo ou um exercício amoroso?

Um dos momentos de maior desgaste para a maioria dos professores, é sem dúvida, a hora de planejar.

Desde a formação acadêmica até a atividade profissional, nossos colegas se queixam com frequência, considerando o ato de planejar enfadonho, custoso e muitas vezes desnecessário.

Penso que uma das razões é o fato de que o planejamento quase sempre emerge de conteúdos pré-determinados, desprovidos de significância relevante, coerente com a realidade dos alunos.

De fato esta é uma questão antiga. Lembro que no extinto magistério, as estagiárias preenchiam formulários imensos, constando os passos estratégicos- como motivação, desenvolvimento, síntese e verificação - repletos de recursos didáticos e pára-didáticos. Ao enfrentar as salas de aula, se deparavam com realidades completamente diferentes do que era planejado. Os flanelógrafos, os cartazes de prega, o material dourado eram utilizados, quase sempre sem uma preocupação com a construção do saber do aluno, apenas com a eficácia na transmissão dos conteúdos.

Como resultado, as 4 horas gastas e as noites mal dormidas, debruçadas sobre pastas de estágio, mimeógrafos e formulários se esvaíam em momentos de frustração e sofrimento. Passado o susto, as estagiárias iniciavam a busca pelas respostas às questões que martelavam em suas mentes: O que ensinar? Como ensinar? - E raramente -Como aprender?

Hoje nos cursos de licenciatura, embora os recursos tecnológicos sejam outros, as incoerências entre o que se planeja e o que se faz permanecem.

Esta é a primeira razão para o professor resistir ao planejamento.

Outro motivo, são as cobranças e pressões sofridas. O sistema educacional que impõe conteúdo, modo e tempo para aprender, a escola que não flexibiliza, nem tampouco contextualiza e o próprio professor que tão voltado está para o seu próprio umbigo, não percebe que o ato de planejar é um exercício de amor, de doação e de busca pela excelência.

É preciso, caros colegas e futuros educadores, compreender que o planejamento não é algo passivo e não precisa ser entediante e desgastante.

Quando desejamos fazer uma sala de aula diferente, quando queremos que os alunos sintam-se em paz consigo e com o outro, queremos ofertar o que há de melhor. E para tanto, é necessário planejar.

Não precisamos mais daqueles formulários e relatórios intermináveis, e aqui vai um recado para os coordenadores - não precisamos mais de excesso de recursos, sem uma ressignificância do processo ensino-aprendizagem. Precisamos, sim, de investigação, pesquisa e diálogo, muito diálogo. Os atores deste cenário educativo devem buscar uma harmonia entre si, respeitando as diferenças de tal maneira que um enriqueça o outro, com sua bagagem e suas idéias.

O registro se dá de maneira a não dispensar o essencial a qualquer plano organizado, com tema, objetivos, metas e ações bem estabelecidos. Mas é preciso que o planejamento seja o espelho do professor e reflexo da realidade dos seus alunos, das necessidades sucitadas no dia a dia, do fazer pedagógico.

Ter uma profissão, casar, ter filhos, estudar, passa por um planejamento que inicia com o desejo. A educação não pode ser diferente. É preciso desejar, e, tendo uma visão clara daquilo que se deseja, planejar, fazer, avaliar e refazer quantas vezes for necessário.

Os padrões excessivos só servem para negar a liberdade e a autonomia do professor, mas o padrão bem revisado, recriado, com a "cara" do professor, é ao contrário, instrumento de uma prática educativa muito feliz.


Ótimo trabalho e muita paz!